Após reuniões, impasse sobre retorno às aulas presenciais continua em Salvador

 


A prefeitura de Salvador e o Sindicato dos Trabalhadores em Educação do Estado da Bahia (APLB) participaram de uma reunião nesta quarta-feira (28), após a categoria informar que não retornaria às aulas presenciais da rede municipal na próxima segunda-feira (3).

O encontro terminou sem acordo e os professores mantiveram o posicionamento de que só voltarão as aulas com toda a categoria imunizada.

O retorno às aulas presenciais também foi debatido pelos professores da rede particular. O Sindicato dos Professores do Estado da Bahia (Sinpro-BA), que representa os docentes da rede privada de ensino, informou que 500 professores participaram da assembleia, que discutiu sobre retorno ou não das atividades. Desse total, 98% dos participantes da assembleia votaram pelo não retorno as atividades presenciais e semipresenciais. Os professores vão se comprometer a manter as aulas remotas, fora do ambiente escolar.

A volta às aulas já tinha sido anunciada pelo prefeito Bruno Reis na última sexta-feira (23), entretanto o sindicato APLB informou que as atividades presenciais só serão retomadas na rede municipal quando houver imunização de todos os professores. A prefeitura informou que a rede municipal já apresentou protocolos consistentes para o retorno e as escolas estão preparadas para receber os estudantes, mas o impasse continua.

Ainda sobre a reunião desta quarta-feira com o sindicato que representa os professores da rede pública, a prefeitura de Salvador informou por meio de nota que já aplicou a primeira dose da vacina contra a Covid-19 em mais de 20 mil trabalhadores da educação na rede pública (estado e município), e que, com isso, restam apenas cerca de 1,3 mil professores que ainda serão imunizados, estes nas faixas etárias de 20 e 30 anos.

A decisão de não retomar às aulas de forma presencial na próxima segunda-feira foi adotada pelos professores rede municipal de ensino de Salvador após assembleia realizada na terça-feira (27).

Segundo a APLB, nos dias 3, 4 e 5 de maio, os professores irão trabalhar apenas de forma remota. De acordo com o sindicato, até a próxima quarta-feira (5), a categoria espera se reunir novamente com a prefeitura para tentar chegar a um acordo.

G1 Bahia.

Bahia e mais 22 estados aplicaram doses vencidas da vacina da Astrazeneca, diz site

 


   A Bahia está entre os 23 estados que aplicaram doses da vacina da Astrazeneca/Oxford após o prazo de validade, de acordo com um levantamento feito pelo site Metrópoles. De acordo com os dados, 160 cidades em 23 estados estão na mesma condição.

Ao todo, 1.254 pessoas foram vacinadas com doses de lotes do imunizante com prazo de validade vencido. O site cruzou as informações oficiais sobre vacinas aplicadas com os registros de envios de imunizantes para as unidades da federação, onde constam a data de vencimento para cada lote.

O problema está nas vacinas fabricadas na Índia e importadas prontas pelo Brasil, os lotes 4120Z001, 4120Z004 e 4120Z005. São grupos de imunizantes cuja data de validade, de seis meses, já expirou. 
A bula da vacina publicada no site da Anvisa informa que a validade do imunizante é de seis meses a partir da data de fabricação, e o produto não deve ser usado após o prazo previsto. “Não use medicamento com o prazo de validade vencido. Guarde-o em sua embalagem original”, diz o documento oficial.

De acordo com o levantamento, na Bahia, foram aplicadas doses vencidas em Salvador (4) e em Pedro Alexandre (1). Procurado pelo CORREIO, o governo do estado da Bahia não se pronunicou até o momento dessa publicação. 

A Secretaria Municipal da Saúde de Salvador esclareceu "que recebemos remessas do lote 4120Z005 nos meses de fevereiro e março e 100% dos  mesmos foram utilizados dentro do prazo de validade, seguindo o que preconiza o plano de vacinação. Ou seja, na logística de distribuição utilizamos (aplicamos) primeiramente os imunizantes que estavam com prazo de validade a vencer. As vacinas foram aplicadas dentro do prazo".

A prefeitura de Pedro Alexandre não foi localizada para comentar a denúncia. 

De acordo com o registro no Ministério da Saúde, o lote 4120z001 foi autorizado para ser distribuído em 24 de fevereiro e vencia em 29 de março. A maior parte dos casos de aplicação de vacinas vencidas mapeados pela reportagem se refere a esse lote. Foram 869 casos identificados em cinco estados. Já os lotes 4120Z004 – com 108 casos em cinco estados – e 4120Z005 – 277 casos em 17 Unidades da Federação – foram autorizados em 22 de janeiro e venceram em 13 e 14 de abril, respectivamente.

Fonte:correio24horas.com.br