Após reuniões, impasse sobre retorno às aulas presenciais continua em Salvador

 


A prefeitura de Salvador e o Sindicato dos Trabalhadores em Educação do Estado da Bahia (APLB) participaram de uma reunião nesta quarta-feira (28), após a categoria informar que não retornaria às aulas presenciais da rede municipal na próxima segunda-feira (3).

O encontro terminou sem acordo e os professores mantiveram o posicionamento de que só voltarão as aulas com toda a categoria imunizada.

O retorno às aulas presenciais também foi debatido pelos professores da rede particular. O Sindicato dos Professores do Estado da Bahia (Sinpro-BA), que representa os docentes da rede privada de ensino, informou que 500 professores participaram da assembleia, que discutiu sobre retorno ou não das atividades. Desse total, 98% dos participantes da assembleia votaram pelo não retorno as atividades presenciais e semipresenciais. Os professores vão se comprometer a manter as aulas remotas, fora do ambiente escolar.

A volta às aulas já tinha sido anunciada pelo prefeito Bruno Reis na última sexta-feira (23), entretanto o sindicato APLB informou que as atividades presenciais só serão retomadas na rede municipal quando houver imunização de todos os professores. A prefeitura informou que a rede municipal já apresentou protocolos consistentes para o retorno e as escolas estão preparadas para receber os estudantes, mas o impasse continua.

Ainda sobre a reunião desta quarta-feira com o sindicato que representa os professores da rede pública, a prefeitura de Salvador informou por meio de nota que já aplicou a primeira dose da vacina contra a Covid-19 em mais de 20 mil trabalhadores da educação na rede pública (estado e município), e que, com isso, restam apenas cerca de 1,3 mil professores que ainda serão imunizados, estes nas faixas etárias de 20 e 30 anos.

A decisão de não retomar às aulas de forma presencial na próxima segunda-feira foi adotada pelos professores rede municipal de ensino de Salvador após assembleia realizada na terça-feira (27).

Segundo a APLB, nos dias 3, 4 e 5 de maio, os professores irão trabalhar apenas de forma remota. De acordo com o sindicato, até a próxima quarta-feira (5), a categoria espera se reunir novamente com a prefeitura para tentar chegar a um acordo.

G1 Bahia.