Apoiada pelo governo, exposição Cu é Lindo divide opiniões e gera polêmica em Salvador

Na exposição que acontece em Salvador, com apoio financeiro do Governo do Estado, tem dividido opiniões. Intitulada Cu é Lindo, a exposição é assinada por Kleper Reis, é direcionada a maiores de 18 anos e segue no Goethe-Institut até o dia 12 de agosto. 
A exposição faz parte da Mostra Devires, que propõe "um exercício de desnaturalização das relações entre sexo, gênero, visualidade, raça e poder". No site do Goethe, a divulgação do evento informa que a mostra apresenta cinco performances, uma exposição, uma mesa de debate e uma oficina, além de uma festa, "que abordam questões sensíveis, mas sem constrangimentos, que censuram a liberdade da diversidade de corpos existentes".
A mostra Devires foi contemplada pelo Edital de Dinamização de Espaços Culturais, tendo apoio financeiro do Governo do Estado, através do Fundo de Cultura, Secretaria da Fazenda e Secretaria de Cultura da Bahia.
Na página do evento na rede social Facebook, a exposição tem a seguinte descrição: “Cu é Lindo” é um projeto multiartístico, do Kleper Reis (MS), que revela um processo de cura, a cura gay. O profícuo suspirar de um mergulho nas raízes que suscita a aceitação do si mesmo. A emoção de lidar com a censura, as memórias das violências e dos espancamentos sofridos, as discriminações e os preconceitos sociais, as imagens do inconsciente e as notícias diárias transmutadas em potência autocurativa e em veículo de integração".
O evento teve, no Facebook, aplausos por parte de alguns. "Que beleza, porque "ostra feliz não faz pérola", e você soube magistralmente colecionar essas jóias a partir dos tombos e, como a Fênix, ressurge a cada vez mais forte! Tinha que ser na Bahia", disse uma internauta se dirigindo ao autor da exposição. "Queria muito poder estar presente para testemunhar este momento. Linda realização", afirmou outro seguidor da página da Mostra Devires.
Por outro lado, as críticas ao projeto também ganharam corpo na rede. "Brasil, 50 milhões de miseráveis. 1/4 da população não tem o que comer, vive com menos de 1,9 dólares por dia. Estamos com dois projetos culturais: "Festival de Masturbação" no Pará com o patrocínio da Secretária do Turismo e Exposição na Bahia "O Cu é lindo" com apoio financeiro do Governo da Bahia. O Brasil não é viável", desabafou uma mulher na rede social Facebook, que foi apoiada por seguidores em seu perfil: "Estados onde predomina a fome e os governadores gastam verbas públicas para irem a Curitiba visitar o presidiário federal".Via : Bocão